Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Directas do PSD: para regressar ao futuro (reinventar) é preciso regressar ao passado (clarificar)

Sábado, 06.01.18

 

 

O primeiro debate das Directas do PSD veio confirmar a análise que tinha alinhavado dos perfis dos dois candidatos, e acentuar alguns traços de forma inequívoca.

Também deixou a necessidade de clarificar o que se passou realmente no governo de Santana Lopes. Alguns comentadores, que são jornalistas, não gostaram deste regresso ao passado. Já perceberemos porquê. Mas para regressar ao futuro é preciso regressar ao passado, isto é, para reinventar (mote do discurso presidencial) é preciso clarificar.

Seria absolutamente inadmissível manter o equívoco "trapalhadas", e uma injustiça tentar passar uma esponja sobre o golpe presidencial de 2004. Mas é o que Rui Rio quer, o que o PS quer, o que os jornalistas desse tempo querem, o que até Cavaco quereria, o filósofo José Gil e outras personagens Porquê?

Porque todos, socialistas, os media, o artigo cavaquista, o livro do filósofo, e outras personagens fizeram parte da armadilha socialista.

Acompanhei os jornais da época, sobretudo quando começou a campanha diária contra o governo. Na altura os media tinham uma influência muito maior do que hoje. Não havia nada que reequilibrasse a informação, que clarificasse a agenda dessa informação. Mas hoje isso já não é assim. As redes sociais vieram permitir a troca de informação e opinião entre cidadãos, em tempo real. Compreende-se o desconforto dos políticos relativamente ao papel das redes sociais, veja-se o caso da lei do financiamento dos partidos.

Hoje a preparação da queda de um governo de coligação estável, como aconteceu em 2004, não seria possível. A preparação, também nos media, da personagem socrática, também não seria possível.

Os militantes do PSD mais jovens não acompanharam essa campanha mediática diária anti-governo. O termo "trapalhadas" surgiu no parlamento pela bancada do PS. e a partir daí foi generalizado de forma intencional.

Após o golpe presidencial, inicia-se a preparação mediática da personagem socrática, o determinado, o moderno, o visionário. Seria interessante e clarificador que os jovens militantes do PSD também lessem os jornais dessa fase. É por isso que alguns jornalistas hoje se sentem incomodados em ter participado nessa ficção e na deturpação da realidade política.

 

Quando no debate Rui Rio insiste que houve "trapalhadas", que Sampaio "teve razão só que podia ter esperado mais tempo" (!?), e que Santana "deu a única maioria absoluta ao PS", mantém o primeiro equívoco injusto ("trapalhadas") e acrescenta-lhe mais dois em cima: a legitimidade do golpe presidencial e o benefício de maiorias absolutas do PS.

Aliás, é com uma maioria absoluta que o actual PS anda a sonhar. Rui Rio acha que seria benéfico para o país? A sua crítica ao actual governo PS é tímida, "governa só para o curto-prazo", e passa por cima das cativações e da obsessão pelo défice, que estão na origem das falhas graves do Estado. Estas sim, seriam razões mais do que suficientes para apear este governo. 

 

Bastaram 13 anos para a política mudar mas poucos políticos acompanharam essa mudança. Bastaram 13 anos para a influência dos media tradicionais cair, a confiança nas instituições perder-se, a participação cívica começar a organizar-se.

Por isso vemos tantos políticos queixar-se do "populismo anti-partidos". Clarifiquem-se e reinventem-se.

 

Vale a pena rever o Expresso da Meia Noite de ontem, dia 5, em que se analisou o afastamento dos cidadãos da política e a cada vez menor identificação com os partidos.   

 

Irei apresentar a análise dos perfis dos candidatos na véspera do próximo debate, mas deixo já aqui uma mensagem para os militantes do PSD mais jovens:

Para escolherem o perfil mais adequado a um PM no séc. XXI, considerar estas palavras-chave: antecipação; equilíbrio; interacção; diversidade; complexidade; sustentabilidade; responsabilidade partilhada; participação cívica; cultura comunitária.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 16:11

Autárquicas 2017: Coimbra, a cidade poética que pode ser uma plataforma europeia da reflexão sobre a ciência e tecnologia

Sexta-feira, 15.09.17

 

 

 

Percebe-se porque há uma insistência obsessiva em querer colocar Coimbra na corrida do conhecimento, como se a cidade tivesse de viver apenas para a sua universidade.

É verdade que Coimbra é, antes de tudo, a universidade mais antiga da península ibérica. A Santa Cruz medieval formou Santo António. A torre da universidade, a biblioteca joanina, a universidade velha são impressionantes.

A Sé Velha, a Sé Nova, o museu nacional Machado de Castro, o jardim botânico, o Seminário Maior e a sua capela, tudo nos envolve poeticamente. Do lado de lá do rio, espera-nos Santa Clara-a-Velha e o convento de Santa Clara.

Não esquecer a Baixa, que os turistas adoram, e voltamos a Santa Cruz, a igreja e, ao lado, o café e a sua esplanada. É aqui que vêm desembocar as ruas da baixinha, onde antes o pequeno comércio e o comércio tradicional tinham uma enorme vitalidade e agora apenas resistem com dificuldade. Esta decadência está a descaracterizar esta parte de Coimbra. Em breve estará ocupada por lojas de maior dimensão, mas sem alma, e por tasquinhas.

Se voltarmos a Santa Cruz temos duas opções: a rua da Sofia ou subir à praça da República. Na rua da Sofia, as suas igrejas e edifícios antigos. A caminho da praça da República, o jardim da Manga e a sua esplanada, o mercado, o elevador para a parte alta da cidade, e a avenida Sá da Bandeira com o seu jardim. Já a chegar à praça, o teatro Gil Vicente.

 

Coimbra não é apenas a sua universidade. É a sua universidade mais a sua história, mais o seu magnífico património, mais os seus poetas das serenatas, mais o seu pequeno comércio, mais o Mondego.

As margens do Mondego não têm sido valorizadas. O rio não é apenas para ser navegado, há parques onde antes as famílias vinham passear. Hoje as crianças acompanham os pais para o Forum ou para outras grandes superfícies.

 

O equilíbrio possível entre a ciência, a tecnologia de ponta e a filosofia, a história, é o grande trunfo de Coimbra. Disse bem. Hoje é tão necessário avançar na ciência como reflectir na sua aplicação. Vivemos dilemas actuais fundamentais para o futuro da nossa espécie. E porque não Coimbra a liderar essa reflexão filosófica quando tem experiência histórica? A sua especificidade é a possibilidade de uma ciência e tecnologia com consciência humana. Disse bem. Consciência humana. Porque já se fala da possibilidade de criar uma "consciência artificial". :)

 

Já me entusiasmei. Ponto da situação, autárquicas, debate. Vi o programa na RTP Play dias depois. Comentei no Twitter: "... os melhores projectos para Coimbra: Cidadãos por Coimbra, Jorge G. Monteiro, e PSD/CDS, etc, Jaime Ramos. Coimbra reclama uma mudança cultural."

Gostei particularmente do projecto Cidadãos por Coimbra, a minha escolha pessoal, pela sua abrangência e articulação entre as diversas áreas: habitação, economia, diversidade e equilíbrio social, abertura à participação cívica, cultura da colaboração e da comunidade, do acesso à qualidade de vida dos munícipes em geral, à possibilidade de fixar os jovens, um futuro equilibrado e sustentável. Uma cidade acolhedora para todos, apreciada e usufruída por todos.

Também considerei interessante a intervenção do candidato apoiado pelo PSD/CDS/MPT/PPM. Pareceu-me, no entanto, representar uma cultura elitista, que considera que o motor de uma cidade está centrado nos quadros qualificados. É certo que são um recurso que a cidade perde para outros países sobretudo, e que podem fixar-se se a cidade souber facilitar e promover condições económicas favoráveis. Mas há muitos outros recursos em Coimbra, que não passam pelas corridas alucinadas dos silicon valleys deste mundo. Coimbra pode, se quiser, colocar-se noutra plataforma, à escala europeia, a partir da sua sabedoria secular.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 09:38

Autárquicas 2017: Santarém, onde o passado merece um futuro equilibrado e sustentável

Sábado, 09.09.17

 

 

A aconpanhar as Autárquicas 2017, tenho descoberto o seguinte: muitos independentes apresentam-se apoiados por partidos; começam a surgir jovens com motivação pela intervenção cívica; os melhores candidatos podem surgir de um qualquer partido, da esquerda à direita; verifica-se uma melhoria na comunicação entre os candidatos, com menos agressividade; a diversidade cultural está presente, 

No Twitter, tenho comentado os debates, uns na hora, outros dias depois :) como este, de Santarém, que gravei: "... interessante intervenção de Rocha Pinto, o candidato do CDS. Colaboração funcional possível: CDS com PSD e CDU. ... a candidata do BE tem ideias e pode ser uma vereadora virada para o futuro. Precisa de melhorar a comunicação. ... recupero a conclusão, CDS para a câmara, e colaboração funcional com PSD e BE."

Esta recuperação da conclusão revelou-se necessária porque fui comentando no Twitter à medida que ia acompanhando o debate. Aprendi a lição: o tempo do Twitter é demasiado sincopado para revelar o essencial. Assim, o candidato da CDU acaba por perder relativamente à candidata do BE, isto é, a candidata foi revelando a pouco e pouco as suas ideias, cultura de base, interacção. E está virada para o futuro.

 

É com algum conforto de alma que me apercebo que nem todos os candidatos autárquicos sofrem da megalomania cultural que nos trouxe tantos prejuízos. Muitos revelam bom senso, o que é refrescante, noção clara de equilíbrio possível entre o passado (história, património, comércio tradicional, etc.) e o futuro (ciência, tecnologia, etc.), ideias inovadoras e sustentáveis para resolver problemas e melhorar a qualidade de vida dos munícipes e, em simultâneo, o desenvolvimento da região.

 

O candidato do CDS parece ser o melhor preparado para assumir a responsabilidade da câmara. É na sua intervenção, calma e bem artiiculada, que vemos como o passado e o futuro se podem aqui encontrar e conviver, com benefício mútuo.

Acessibilidades: reconhecimento desta forte vantagem de Santarém, com a auto-estrada e a ferrovia. Proposta interessante de deslocar apenas a estação ferroviária, "na mesma linha e na mesma cantenária", para perto da zona comercial do CNEMA, centro nacional de exposições, onde existem parques de estacionamento, e onde se poderia fazer uma zona intermodal colocando, também ali, a rodoviária. Além de ficar igualmente próxima do aeródromo.

Reconhecimento da necessidade de melhorar as acessibilidades das freguesias do norte do concelho, Alcanede e Amiais, com a correcção do traçado das estradas, por se tratar de um obstáculo que permitiu que "fugissem para" a Azambuja e Alcanena diversas empresas, quando Santarém tem "melhores acessibilidades e pavilhões vazios". A sua posição geográfica no centro do país, e ligado a tudo o que é vias de comunicação, permite-lhe vir a ser "uma plataforma logística do país."

Mobilidade dentro da cidade: proposta de um elevador mecânico que ligue as zonas superior e inferior do planalto. 

Turismo: de cariz religioso, como o Santuário do Santíssimo Milagre, o património religioso da época medieval, o museu diocesano, não valorizado, e que faria parte dos objectivos a curto-prazo, "para alavancar o emprego".

Habitação no centro histórico, com legislação que facilite a sua reabilitação. A partir daí, o pequeno comércio e o comércio tradicional vai-se reanimar.

Um parque da cidade no terreno onde se realizavam as feiras, a limpeza da cidade, cuidar dos jardins. Algumas "pequenas coisas" que fazem muito pela qualidade de vida dos munícipes.

 

Enquanto o candidato do PSD, actual presidente, refere, ufano, as startups, a candidata do BE privilegia as pessoas e alerta para a ausência de informação sobre o tipo de trabalho que desenvolvem e as suas condições. Embora o presidente insista que há informação disponível, todos sabemos que há ainda uma certa opacidade na cultura de base de muitas startups.

A obra feita centra-se essencialmente no investimento na escola prática de cavalaria, onde estão inseridos vários serviços, incluindo a Startup Santarém - centro de inovação empresarial, e obras no centro histórico da cidade.

Agora falta uma visão integrada e virada para o futuro que não passe apenas pela cultura do desenvolvimento economicista.

 

A candidata do BE revela, a pouco e pouco, ter ideias interessantes e viradas para o futuro, mas precisa de melhorar a sua comunicação. É quem refere a importância de envolver os munícipes através do orçamento participativo, uma cultura comunitária, o ambiente, as ciclovias, a agricultura biológica, o aproveitamento turístico equilibrado e sustentável da zona ribeirinha com caminhos pedonais. 

Por isso a considerei como uma vereadora que pode colaborar, de forma positiva, na definição de áreas e na opção de estratégias, de um futuro que privilegia a qualidade em vez da quantidade.    

 

Concluindo, o projecto mais inteligente, equilibrado e sustentável, é o do candidato do CDS, que revela, além disso, o perfil mais adequado a presidente de câmara, que desenha o futuro de forma integrada e perspectivando-o em várias fases.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 15:38

Autárquicas 2017: Lisboa, a cidade luminosa que resiste à misoginia política a que chamam "dinamismo económico"

Quinta-feira, 07.09.17

 

 

 

Debates dos candidatos à câmara de Lisboa, na SICN e na TVI24. O que estes debates revelaram é verdadeiramente surpreendente:

O candidato mais preparado para compreender e valorizar Lisboa é João Ferreira. Secundado pelo candidato Ricardo Robles, que define a habitação como prioridade, e pelas candidatas Assunção Cristas e Teresa Leal Coelho, que percebem o que está em causa, o equilíbrio e a sustentabilidade de uma cidade, e dos seus habitantes, que merecem melhor tratamento. E o candidato que pior lhe irá fazer, espero que não seja irreversível, é o actual presidente, Fernando Medina, e o seu "dinamismo económico".

 

Lisboa é uma cidade que sempre visualizei no feminino. Luminosa, acolhedora, versátil, sábia. Nem todos a compreendem mas todos a querem mudar e descaracterizar. Sem a compreender, como é que a podem valorizar? Lisboa resiste a esta misoginia política. A questão é: até quando?

 

Na mobilidade, um bom sistema de transportes públicos é fundamental para retirar pressão automóvel sobre o centro da cidade. O metro é o melhor transporte em rapidez, frequência, comodidade. Todos percebem isto. Mas, como João Ferreira demonstra num discurso bem articulado, se o preço do bilhete é superior à utilização do carro, como se motivam as pessoas a não utilizar o carro na cidade?

Também demonstrou que a ideia de uma linha circular pela periferia da cidade só vai piorar a acessibilidade da periferia ao centro, pois os utilizadores terão de fazer transbordo. É fácil de perceber. E sabem quanto estão a pensar investir nessa obra inútil? 12 milhões, foi o que percebi. Desconfio que será bem mais do que isso.

Lisboa, Lisboa...

 

A pressão do turismo sobre a habitação, outro desafio. A cultura dos vistos gold e o actual deslumbramento com o turismo de massas e de hotéis para ricos, está a empurrar os residentes do centro para a periferia. O preço das casas torna-se incomportável, o mercado de arrendamento segue a curva ascendente, e lá vai parte da alma lisboeta para onde não incomode. E o que irá acontecer ao comércio tradicional?

Aqui João Ferreira é secundado por Ricardo Robles, que se entusiasma com este desafio. É possível evitar a especulação imobiliária.

 

A pressão do turismo sobre o centro da cidade foi bem explicado por João Ferreira. A solução é diversificar o turismo por diversos pontos da cidade.

Visualizei o Terreito do Paço invadido por multidões de turistas a sair de embarcações de cruzeiro, a desembocar na Baixa e no Chiado, no Castelo e em Alfama, numa azáfama colorida e ruidosa, e estremeci. É essa a Lisboa de Medina.

Lojas que se transformam em formas de vender artefactos de gosto duvidoso que desfiguram a alma de Lisboa. A sua cultura antiga, de muitas camadas, que se vai revelando a pouco e pouco, nas ruas empedradas, nos azulejos que ainda não roubaram, nos vestígios que permanecem, nos jardins, nas praças, nas escadinhas, nos elevadores eléctricos, nos miradouros, nas igrejas, nos museusnos teatros, nas livrarias.

E depois, a Lisboa da ciência. Os laboratórios, os anfiteatros, os armários de madeira, como eram inovadores e poéticos.

A Lisboa da botânica, a Lisboa da geologia, a Lisboa das descobertas, curiosa e inteligente.

E também a Lisboa da cerâmica, do azulejo, da arte sacra, do mobiliário.

Não, não esqueci a Lisboa do fado. Há um turismo exclusivo do fado.

 

Há muitas camadas em Lisboa. A Lisboa dos palácios reais, magnífica e sumptuosa, num país falido. Este contraste é, ele próprio, didáctico.

Assim como a Lisboa burguesa estrangeirada, vaidosa, decadente e fútil, tão bem retratada em Eça, mas que não desejaríamos replicar.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 09:08








comentários recentes



links

coisas à mão de semear

coisas prioritárias

coisas mesmo essenciais

outras coisas essenciais

coisas em viagem